Polícia Militar é hostilizada no Jardim das Hortênsias

Leia mais!

Vôlei de Araraquara recebe um dos favoritos ao título da Superliga

Leia mais!

Zagueiro araraquarense sonha com a titularidade no Inter

Leia mais!

Técnico da Ferroviária analisa último teste e vê time pronto para o estadual

Leia mais!





Sessão de Câmara - Ao Vivo


Tabela MF
SIM!NEWS - bastidores
Imagem:TV Cultura Paulista
Integrante de rede criminosa é preso em Araraquara em Operação do MP
Araraquarense é suspeito de integrar grupo criminoso especializado em fraude. Outras nove pessoas foram detidas em Limeira e Jundiaí

Data: 27/01/2015 14:54:29



Uma operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ligado ao Ministério Público, prendeu um grupo suspeito de praticar fraudes bancárias, falsificações de documentos e lavagem de dinheiro. Pelo menos dez integrantes foram presos em municípios como Limeira, Jundiaí e Araraquara.

Entre os suspeitos, está o morador de um apartamento na Avenida Maria Janasi Biagioni, em Araraquara, cujo nome ainda não foi revelado. Ele foi preso no imóvel no final da manhã desta terça-feira (27) e levado para a Delegacia pela equipe da Força Tática da Polícia Militar de Araraquara.

Os Promotores de Justiça do GAECO apuraram que a organização criminosa usava empresas que não tinham fôlego financeiro para contrair empréstimos bancários conseguiam realizar essas operações financeiras com apoio de um fraudador, responsável por adquirir documentos, e nunca quitavam os empréstimos, uma vez que os sócios das empresas não tinham patrimônio para saldá-los e nunca eram localizados pela Justiça quando da cobrança dos débitos.

O grupo criminoso foi descoberto após a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico dos integrantes da organização. Além do morador de Araraquara, também foram presas cinco homens e três mulheres em Limeira e outro em Jundiaí. Eles poderão responder pela prática de organização criminosa, estelionato, lavagem e ocultação de bens e também uso de documento falso. As penas variam de 01 a 10 anos de reclusão.

A Força-Tarefa contou com 13 Promotores, 100 policiais militares e agentes de Piracicaba e Campinas.